Postagens populares

domingo, 29 de março de 2015

De volta e já com exames pra fazer.



Olá... 

Olhe eu de volta. Não resisti e vim dar notícias. Meu querido médico me mandou fazer um grande número de exames. Os laboratoriais já estão prontos.... olhem:




Além desses, a  ultrassonografia das mamas e transvaginal. 


Pendentes: Vídeohisteroscopia com biópsia, Doppler venoso membros inferiores, risco cirúrgico e exames de sangue e espermograma do Marcelo.

Olhando bem, não falta quase nada. 

Vamos que vamos... votarei em breve pra dar notícias, enquanto isso...

curte meu canal no you tube, meu instagram e o blog.

Uma boa semana. 



Tati 


YouTube: https://www.youtube.com/channel/UCfMhvfe3ZJVD_U0-MDrQLXA


Instagram: https://instagram.com/tatillubia/

segunda-feira, 23 de março de 2015

Qual a diferenças entre inseminação artificial e fertilização in vitro?

 Esta semana me bateu uma dúvida, qual seria a diferença de um e outro tratamento. Qual seria o mais indicado pra mim já que os valores mudam radicalmente de um pra outro. Descobri lendo esse artigo na revista Super Interessante que o tratamento mais adequado pra mim é da Fertilização In Vitro, onde os espermatozoides são fecundados fora do útero e colocado depois já com divisões celulares de até 16 células. Eu, como já expliquei em minha primeira postagem, tive a única trompa ligada no parto da Valentina, e infelizmente não posso ter outro bebê se não for desta forma. Segue abaixo as explicações mais adequadas pra vocês queridas colegas tentantes. 













Diferenças entre inseminação artificial e fertilização in vitro:


O que são inseminação artificial e a fertilização in vitro?
Como são feitas e para que casos são indicadas?
Quais são as chances de sucesso dessas técnicas?
Por que geralmente nascem gêmeos ou trigêmeos?





A inseminação artificial e a fertilização in vitro são formas diferentes de fecundação com acompanhamento médico. A inseminação artificial é usada quando a mulher tem um problema no colo do útero: a região possui anticorpos que matam os espermatozóides. É então coletado sêmen do homem e injetado na cavidade uterina da mulher, em uma região onde os anticorpos não estão mais presentes. Livres dos inimigos, os espermatozóides podem fecundar os óvulos. Essa técnica é usada também quando o homem tem poucos espermatozóides. O esperma é colhido e recebe um tratamento no laboratório para aumentar sua concentração. É depois depositado no útero da mulher.


Na fertilização in vitro, a fecundação é feita fora do organismo. Essa técnica é usada por mulheres que fizeram ligamento de trompas - uma cirurgia que evita a passagem do óvulo para o útero - e se arrependeram. A paciente recebe um tratamento para liberar mais de um óvulo por ciclo (o normal é apenas um). Esses óvulos são aspirados por uma agulha e colocados em meio de cultura com nutrientes. Os espermatozóides são depositados no mesmo recipiente. O óvulo, depois de fertilizado, vai para uma estufa onde começa a ocorrer a divisão celular e formar o embrião. Quando já existir entre oito e 16 células, o que leva cerca de 72 horas, o embrião é colocado no útero da mãe. Geralmente são implantados mais de um embrião para aumentar a chance de ocorrer a gravidez. Por isso é tão comum o nascimento de gêmeos ou trigêmeos. A fertilização in vitro é também usada em mulheres que, após a menopausa (quando não ovulam mais), decidem engravidar. Só que, nesse caso, o óvulo que vai ser fertilizado é doado por outra mulher. O óvulo da paciente é retirado, fertilizado e reimplantado diretamente no útero. Existem alguns casos em que o esperma pode ser colhido e guardado para fazer uma fertilização no futuro. Opta-se por essa alternativa quando o homem tem câncer de testículo e vai fazer radioterapia. A radiação impede a produção de espermatozóides. Antes que o paciente comece o tratamento, o esperma é colhido e armazenado.







Alguns homens que vão passar por vasectomia, cirurgia que os deixa estéreis, também decidem colher espermatozóides e congelar para usar mais tarde, caso decidam ter um filho. O esperma pode ser congelado por três anos. O sucesso das formas de fertilização com acompanhamento médico é de 30% em cada tentativa. "Essa é também a probabilidade que a mulher tem de engravidar em cada ciclo por meios naturais", diz o ginecologista Thomaz R. Gollop, do Instituto de Medicina Fetal, em São Paulo.


fonte: http://super.abril.com.br/saude/diferencas-inseminacao-artificial-fertilizacao-in-vitro-441060.shtml